A formatura da 5ª turma de alunos desta Escola, realizada no dia 7 do corrente, constituiu, como as anteriores, o grandioso espetáculo de civismo que soe coroar quinzenalmente os esforços dos que trabalham nesta casa pelo engrandecimento da aeronáutica brasileira.

 

         Constituída desta vez de 34 alunos de várias especialidades, foi a 5ª turma paraninfada pelo prof. Melo Morais, digno secretário da Agricultura, que, atendendo ao convite do Comandante da Escola, emprestou com sua presença maior brilhantismo às solenidades. Também estiveram presentes no palanque oficial, entre numerosas outras pessoas, o Ten. Guedes de Figueiredo, representando o Sr. Interventor Fernando Costa; Heráclito de Almeida, representante do Dr. Aguinaldo de Góes, diretor de Trânsito; Otávio Machado de Barros, representante do Sr. Secretário da Educação; José Teixeira Porto; pelo Sr. Secretário da Viação; oficialidade da Escola, instrutores, funcionários e representantes da imprensa.

        

Após as cerimônias de estilo, falou o Ten.Cel.Av.Eng. João Mendes da Silva, que, em rápidas palavras, apresentou as despedidas da Escola aos graduandos e concitou-os a terem sempre em mente o compromisso assumido para com a Pátria, simbolizada no Pavilhão Nacional.

  

 

 

 

 

O DISCURSO DO SR. JAMES BLAKELEY

 

A seguir, usou da palavra o Sr. James Blakeley, Diretor da Escola, e cujo discurso, a seguir transcrevemos:

 

“Hoje é o dia da sua formatura que representa muitos meses de esforço, cooperação e coordenação entre duas grandes nações, os Estados Unidos da América e o Brasil. Durante estes meses, Norte Americanos e Sul Americanos trabalharam estritamente unidos afim de que o ideal do Pan-Americanismo pudesse ser realizado e concretizado na sua obra futura. Os seus esforços nesta Escola foram testemunhados pelos representantes Norte e Sul Americanos que se acham diretamente interessados no progresso deste estabelecimento. É, portanto, natural que continuemos a observar as suas atividades mesmo após deixarem a Escola.

 

Vocês vão ingressar agora no mundo da aviação onde porão em prática muitas das coisas que aqui aprenderam como estudantes. No futuro, a sua própria reputação, a desta Escola e mesmo a do Brasil repousará no resultado dos seus esforços.

 

Todos os seus instrutores, as Administrações Civil e Militar lhes desejam muita felicidade, trabalho profícuo e boa viagem.”

 

 

OUTROS DISCURSOS

 

Também falou o Sr. John Paul Riddle, em cuja substanciosa oração exaltou a cooperação entre o General Arnold e o Governo Brasileiro, havendo louvado a dedicação do Ministro Salgado Filho. Usou a seguir o microfone o 3º Sargento Brasil Dias Cunha, orador oficial da turma, que expressou os sentimentos de seus colegas, na hora em que deixam a Escola para entrar em atividade colocando em prática os ensinamentos aqui obtidos.

 

 

 

PALAVRAS DO PARANINFO

 

       

Encerrando a série de orações, o prof. Melo Morais pronunciou o discurso abaixo:

 

         “Ressoam aos meus ouvidos as palavras com que fui convidado a paraninfar a luzida e esperançosa quinta turma, que se gradua por este modelar Estabelecimento de ensino técnico. É que elas me disseram: “Creia-me, doutor Melo Morais, que este convite, que espero seja aceito por V.S. é uma demonstração sincera da gratidão pelo muito que tem feito pela nossa Escola”. E partiram do Tenente Coronel Mendes da Silva, que vive aqui, inteiramente devotado ao preparo da juventude em flor, que será amanhã o sólido esteio para consolidar a Aviação Militar ou Civil no Brasil.

        

         Bem sei que o que se me afirmou a esse respeito traduz, mais uma cativante gentileza do que a realidade. Permita-me por isso, que eu lembre: esta admirável Escola Técnica de Aviação, que já é orgulho do País, foi criada com incrível rapidez, graças à cooperação leal dos Estados Unidos e do Governo do eminente Presidente da República, Dr. Getúlio Vargas.

 

         A América, que Colombo pôs em destaque aos olhos da Europa de ontem, dos navegantes ousados, foi o berço da Aviação, do mais pesado do que o ar. Santos Dumont é brasileiro, descendente de lavradores paulistas. Os irmãos Wright são da terra prodigiosa de Tio Sam. Pense-se nisso e dir-se-á que havia uma predestinação para que, em São Paulo, viesse a ser instalada, como o foi, esta Escola Técnica.

 

Pouco importa que Leonardo da Vinci se tenha ocupado com a questão. Ele imortalizou Mona Lisa, na tela, mas não levantou vôo em busca das alturas. O avião só abandonou o solo com Santos Dumont. Mais tarde, a América e São Paulo se entrelaçaram para a instalação deste extraordinário Estabelecimento de ensino, na Piratininga Anchieta.

 

         Salgado Filho, com sua lúcida visão de patriota, mostra que é, de fato, notável Ministro do Ar. Fernando Costa não lhe regateia auxílio para que a Escola entre imediatamente em funcionamento. Uma plêiade de oficiais, habituada a sulcar com denodo os céus do Brasil e de outros países, integrou-se nessa obra de acendrado patriotismo. E o Senhor John Paul Riddle trouxe, pelo ar, tudo que era necessário par a novel Escola.

        

Não se admire, portanto, que aqui tremule ao vento a bandeira do Brasil ao lado da dos Estados Unidos. É que a Escola Técnica de Aviação de São Paulo é conseqüência da cooperação amiga das duas Américas, da do Norte e da do Sul.

 

         Estou certo de que os graduandos de hoje jamais se esquecerão disso e serão intransigentes defensores da fraternidade americana. Por outro lado, tenho arraigada convicção de que saberão honrar os dedicados e ilustres dirigentes e professores desta magnífica Escola, patenteando lá fora, na vida prática, que saíram deste Estabelecimento devidamente habilitados a cooperar para que a Aviação no nosso país, quer na paz, quer nas agruras da guerra, seja efetivamente digna de louvores e de justificados encômios. Ela será o elo mais robusto para conservação da unidade do Brasil, que precisa permanecer estruturado da maneira como nos legaram os nossos maiores. Sem isso, ele não será uma nação rica e poderosa.

 

É, portanto, lícito que declare aos meus jovens paraninfados: amem ardentemente a profissão que escolheram. Exercitando-a com afinco, estarão ajudando eficientemente a forjar a grandeza do Brasil de amanhã”.

 

  

 

ENTREGA DE PRÊMIOS

 

Serenados os aplausos, procedeu-se a entrega das divisas pelas madrinhas aos novos graduandos de curso. O paraninfo efetua então a entrega dos prêmios, a saber: “Prêmio de Disciplina F.A.B.” – Nelson Scatena. “Prêmios de Aplicação” – Sistemas Elétricos – Oswaldo Sassi; Motores – Amaurilio Leonel de Alencar Peixoto; Páraquedas – José Pereira de Mello; Aviões – Daniel Chain; Soldagens – Afrânio Pereira Duque.

 

Encerrando as solenidades, houve desfile dos graduados e da tropa. Na Sala de Comando, durante a recepção oferecida aos convidados, efetuou-se a entrega de artística lembrança, oferta da quinta turma ao seu paraninfo, prof. Melo Morais. 

 

 

  

OS NOVOS ESPECIALISTAS

 

        Foram estes os alunos que constituíram a quinta turma de especialistas:

 

         Especialistas em Motores

Danilo Mendes de Vasconcelos

Mário Daher

Fernando Nogueira Ribeiro

Nelson Scatena

Alberto Preto

Josué Vieira

Alexandre Xakur Júnior

Amaurilio Leonel de Alencar Peixoto

Carlos Penteado Espírito Santo

 

         Especialistas em Manutenção de Pára-quedas

         Rubens Mota

         José Pereira de Melo

         Antonio Borges da Silva

         José Almeida Azadinho

 

         Especialistas em Sistemas Elétricos

         Amadeu Berling Júnior

         José Xavier

         Luiz Carlos Neves D’Avila

         Henrique Gambiaghi

         Oswaldo Sassi

 

         Especialistas em Aviões

         Rutilo Vicente do Amaral

         Brasil Dias Cunha

         Daniel Chaim

         Jacob Goldveig

         Francisco Nogueira Cardoso

         João Batista Cerqueira Mota

         Amulio Martinelli

         Ney de Barros Vaz

 

         Especialistas “Soldadores”

         Walter Martins de Abreu

         Álvaro Média

         Geraldo Barreto de Abreu

         Nelson Boralli

         Edwin Henry Edmond Devéze

         Afrânio Ferreira

         Duque Fernando de Assunção

         Rubens de Almeida Portes

       

 

 

UMA REPORTAGEM SIMPÁTICA

 

         Cresce cada vez mais o interesse da Imprensa de São Paulo e do Brasil, pela nossa Escola. Quase que diariamente os jornais de todo o país publicam notas e reportagens contendo elogiosas referências a esta organização de que tanto orgulho nos dá.

 

         Muitos são os jornalistas que nos procuram e, à proporção que as nossas novidades são divulgadas, maior é o número deles, sempre desejosos de escrever alguma coisa nova a nosso respeito. Revistas, jornais e muitos órgãos de divulgação, já sabem aquilatar perfeitamente o que representa para o público o grande número de novidades que guardamos aqui dentro. O noticiário tem sido amplo e cada vez mais, o auxílio da Imprensa tem vindo ao nosso encontro para divulgar a grandeza de nossas finalidades.

 

         Muitos nos visitam e bem cedo deixa transparecer o entusiasmo por tudo que lhes é dado observar.

 

         Recentemente, entre muitos daqueles que nos honraram com suas visitas, convidados pela Secção de Propaganda, compareceu a esta Escola o conhecido redator aeronáutico Anésio Gaudie Ley do Amaral, que depois de uma longa e pormenorizada visita, fez publicar com a colaboração de seu colega Hilário Corrêa, na revista “Velocidade” uma simpática e carinhosa reportagem, onde é apresentada a mais interessante visão desta Escola.

 

         Trata-se, sem dúvida, da melhor apresentação feita por elemento estranho e a atenção com que foram tratados todos os problemas, permitiu a mais franca acolhida por parte de todos os colaboradores desta Escola.

 

         A forma feliz de nos apreciar e as referências oportunas, feitas pelos redatores de “Velocidade”, mostraram-nos que bem cedo essa nova revista aeronáutica será uma das melhores e mais bem formadas no assunto, em todo o Brasil.

 

  

 

O BRIGADEIRO DO AR ALTAIR ROSANI EM VISITA À E. T. Av.

 

         O Comandante da 1ª Zona Aérea, com sede em Belém, Brigadeiro do Ar Altair Rosani, esteve em visita a esta Escola, no dia 6 do corrente.

         Recebido com as honras a que tem direito, o ilustre oficial percorreu depois todas as dependências da E. T. Av. acompanhado pelo Comandante e outros Oficiais desta Escola.

 

NA E. T. Av. O DIRETOR DO SERVIÇO DE SAÚDE DA AERONÁUTICA

 

         O Cel. Méd. Dr.  Angelo Godinho, Diretor do Serviço de Saúde da Aeronáutica, estando nesta Capital, deu-nos o prazer de sua visita, no dia 4 p.p., fazendo-se acompanhar pelo Ten. Cel. Méd. Dr. Delfino Freire de Rezende, Chefe do Serviço de Saúde da 4ª Zona Aérea.

 

         Depois de serem recebidos na Sala de Comando, os visitantes dirigiram-se para o Centro Médico da  E. T. Av., acompanhados pelo seu diretor Ten. Ed. Dr. Fernando Martins Mendes.

  

 

UMA VETERANA DO ESPAÇO

 

        Desde o dia 1º p.p. passou a fazer parte do Departamento de Pára-quedas, a Srta Ada Rogato, comissionada pela Secretaria de Agricultura.

 

         A nova auxiliar da E.T.Av. possui uma folha de serviços à aviação brasileira que honra o seu sexo, pois foi brevetada pelo Departamento de Aeronáutica Civil e pela “Federation Aeronautique International”, contando já 425 horas como piloto em 15 tipos diferentes de aviões, entre os quais alguns considerados de guerra.

 

         Ada é popularíssima nos meios aeronáuticos brasileiros, tendo-se destacado em vários concursos de acrobacia da “Semana da Aza”.

 

         Além disso, tem ela os 3 brevês de planadores, sentindo-se à vontade no comando desses pássaros silenciosos.

 

         No pára-quedismo, entretanto, é que a focalizada encontrou as suas melhores “chances”. Foi a primeira aluna do decano desse perigoso esporte, Charles Astor, sob as vistas de quem, realizou os primeiros saltos femininos no país. Depois, já confiada em si mesma, completou 14 saltos, um dos quais ficou marcado pela sua originalidade, por ter sido feito à noite, em conjunto com mais 5 outros pára-quedistas e sobre a Baía de Guanabara. Perante enorme multidão apareceram 6 esferas luminosas no espaço e caíram lentamente sobre o mar. Charles Astor conseguiu esse magnífico efeito, entregando uma lâmpada de pilha a cada pára-quedista, que a acionou contra a cúpula de seda, logo depois que esta se encheu de ar!

 

         Ada tem uma estatística interessante: vem marcando desde o primeiro, os nomes dos passageiros que ela batizou no vôo e conta já 600 pessoas nesse rol. Estes dados foram obtidos no Aeroclube de São Paulo, a revelia da sua modéstia e simplicidade.

 

         De origem humilde tem entretanto uma fibra igual a de Amélia Earhart, Jean Batten ou Amy Mollison.

 

         Tais conquistas são conseqüência única do seu trabalho, das suas qualidades e sobretudo de sua perseverança.

 

 

SECÇÃO DOS ALUNOS

 

NOSSA VISITA À CRUZEIRO DO SUL

Descrita pelo aluno Aldo Caropreso

 

 

Os alunos visitantes formados à frente de um dos gigantescos quadrimotores da “Cruzeiro do Sul”, que fazem a linha regular Rio – Buenos Aires

       

Decolou o possante quadrimotor “Arumani”, irmão gêmeo do “Abaitará” da Cruzeiro do Sul Ltda., no aeroporto de Congonhas rumo ao Rio, às 9,40 horas de segunda-feira, dia 2 p.p., com nosso Comandante Ten. Cel. João Mendes da Silva, srs. Blakeley, Englund, Stewart, Mueller, Clews e os alunos: João Enio M. Pereira, Humberto V. Fattore, Danilo M. de Vasconcellos, Aldo Caropreso, Artemio Bottene, Francisco Drezza, Guilherme Moore, Francisco D. Martins, Nelson Melges, Onofre Gardim, Octavio B. Junior, José Moraes, João Motta, Francisco Cardoso, Oswaldo Sassi, Luiz C. N. D’Avila, Raymundo B. de Souza, Gumercindo Gimenez, Frederico Reffert e Jorge Martins, para nos proporcionar uma maravilhosa viagem e interessante visita.

 

         Afastamo-nos de São Paulo, ganhando rapidamente altura vencida pelos quatro motores do “Arumani”, que às 10 hs. e 10 ms. estava a 2.200 metros, sobrevoando a costa. Mais 17 minutos e víamos só o oceano que se confundia com o céu: e estávamos a 2.500 metros de altitude.

 

         O tempo estava bom e a viagem ótima.

 

         Três colegas jogavam o “cachangá”.

       

O Gardim dizia parecer ouvir o toque de rancho da Escola (“miragem”).

 

         Avistamos a silhueta de algumas montanhas, que com o mar formavam uma paisagem maravilhosa.

         Às 10,47 horas já nos aproximamos do Rio. Avistamos o Corcovado, em vôo de 1.000 metros. Logo mais nosso “tapete mágico” nos levou diretamente sobre o mais belo panorama, em que tomava parte a natureza e o dinamismo dos brasileiros. A baía de Guanabara, com suas enseadas e praias que começam com o branco da espuma, passa ao verde e azul, confundindo-se no horizonte com o céu.

         O “Arumani” faz a tomada de campo. Reduz os motores e desliza na pista do Aeroporto Santos Dumont, na Ponta do Calabouço, às 10,58 horas.

*

         Desembarcamos. Nosso repórter fotográfico e o da Cruzeiro “batem chapas” ao lado e à frente do “Arumani”.

 

         No Aeroporto cumprimenta-nos o Sr. John Paul Ridlle.

 

         Nossa visita às modernas instalações da Cruzeiro, teve inicio no departamento de levantamentos aero-topográficos. Acompanharam-nos com atenciosas e detalhadas explicações os srs. Paulo Barros e Amílcar. Demonstrando que a “Cruzeiro”, com seus técnicos, engenheiros e aparelhamentos modernos, é capaz de fazer o levantamento de grandes áreas de território, com curvas de relevo exatas. O Estereoplanígrafo, foi uma das interessantes obras primas da engenharia moderna que nos foi mostrada pelo sr. Placidino com detalhadas explicações.

 

Aspecto do lauto almoço oferecido aos dirigentes da E.T.Av., no refeitório do aeroporto

 

 

Flagrante apanhado no Aeroporto Santos Dumont, à chegada da comitiva

 

        Outra demonstração interessante foi a do Mult-plex (Aeroprojetor). Esse aparelho corrige as pequenas diferenças de níveis, ângulos laterais e longitudinais produzidos entre o espaço de tempo de uma e outra chapa, pelo avião.

 

         Terminada a visita àquele departamento, rumamos às oficinas de revisão e reparação do material aéreo. Iniciamos pela secção de instrumentos, que é completa, permitindo que os aviões da “Cruzeiro” tenham sempre os instrumentos de bordo tecnicamente calibrados.

 

         Seguiram-se as secções de Chapas, Tornearia e Solda. São completas, com aparelhamentos modernos.

 

         No departamento de aviões, assistimos a uma das fases de revisão do DC 3 pelos técnicos.

 

         Em seguida, estivemos nos departamentos de: Rádio-transmissão, Hélices, Oficinas de Aprendizagem e Secção de Hidráulica.

 

         O Departamento de Motores é como os outros: modernamente aparelhado; segue sempre as ordens técnicas. Depois de reparadas, examinadas e testadas, as peças são levadas para a montagem do motor, que passará à prova final, com diversas horas de funcionamento na câmara, à prova de vibração, na qual é permitido que o técnico observe constantemente se há variações, como sejam de: temperatura, pressão, rotação, etc.

*

         Às 14 horas foi-nos oferecido um lauto almoço e “cocktail” no refeitório do Aeroporto. Usou da palavra, o representante da Cruzeiro do Sul Ltda., agradecendo nossa visita. Por nós falou o colega Raymundo Barboza de Souza (235) agradecendo e demonstrando sinceramente a sua e nossa satisfação, pela acolhida que tivéramos e pela atenção que nos era dispensada.

 

         No hangar, às 15 horas, assistimos a uma parte da inspeção ao “Arumani”, para, em seguida, decolarmos rumo a São Paulo.

 

         Às 16 horas fomos acompanhados pelo Dr. Paulo Souza Reis até o ponto de embarque. No “Arumani”, às 16,55 horas, demos o “adeus” às pessoas que nos haviam acompanhado e, minutos após, deixávamos o hospitaleiro solo carioca, rumo à Paulicéa.

 

         Às 18,10 horas aterrávamos em Congonhas, satisfeitíssimos com o passeio.

 

   

 

“PORTO ALEGRE SAUDOSO”

 

Ao contemplar este “Chorão” da Escola,

Sinto saudades dos “Chorões” de minha terra.

     Ambos são belos e tristes.

     Com o mesmo tédio que aparentam,

     afagam as superfícies das águas.

   Este ... um pequeno lago com peixes dourados,

     “simples fantasia”

  Aquele... realidade, águas verdes do rio Guaíba

     Águas que banham a “Cidade Sorriso”

     Meu berço...

     Minha terra natal.

(Sulista)

 

ALUNADAS

 

Por J. Siqueira e P. Zamboni

 

O Gaspar (437) é um “filante” de marca. Outro dia estava ele palestrando com o Flamínio (435), e a todo momento pedia um cigarro. Acerta altura o Flamínio, impaciente, observou-lhe:

- Ora, rapaz, você está fumando demais!

E o Gaspar:

- É... eu fumo, mas não “trago”.

- Bem, mas precisa trazer.

 

---------------------------

 

        Dizem que agora na Lavanderia existe um novo “Calculista”, como o dos contos de Malba Tahan, que prova por a + b que você “traz” o que “leva”. Sem dúvida é um grande matemático!

 

-------------------------------

 

        Consta que o próximo “show” será de “abafar”. Entre outras grandes atrações de nosso rádio, teremos entre nós Carlos Galhardo, Dorival Caimi, Izaura Garcia, etc. A “turminha de casa” também estará em frente ao micro.

 

 

 

Lista dos Oficiais da Escola Técnica de Aviação

 

         Ten. Cel. Av. Eng. João Mendes da Silva – Comandante

         Cap. Joaquim Bueno Brandão – Assistente Militar

         1º Ten. Med. Aer. Fernando Martins Mendes – Chefe do C. M.

         2º Ten. Av. Ariovaldo Vilela – Secretário

         2º Ten. Med. Aer. José Gonzaga Ferreira de Carvalho

         2º Ten. Med. Aer. José de Mores Camargo

         2º Ten. Med. Aer. José Carlos D’Andreta

         2º Ten. Med. Aer. Ruy de Carvalho Braga

         2º Ten. Med. Aer. Alfredo Rocco

         2º Ten. Med. Aer. Marcelo Pio da Silva

         2º Ten. Pedro Celestino dos Santos

         Asp. Of. Med. Aer. Olavo da Motta Cardoso

         Aspirante Of. José Cabral de Almeida Amazonas

         Aspirante Of. Clodoaldo Motta Accioly

         Aspirante Of. Eurico Lacerda

         Aspirante Of. Bdertholdo Costa Junior

         Aspirante Of. Antonio José Nosé

         Aspirante Of. Paulo Spitzer

 

 

 

Publicado Para Interesse dos Alunos, Instrutores e Auxiliares da Escola Técnica de Aviação, São Paulo, Brasil

 

JAMES BLAKELEY – Diretor

CORPO DE REDATORES – Temporário

 

Donald F. Peck.............................................Redador

  Lucy Bloem................................................. Redatora Assist.

   Ten. Ariovaldo Villela.....................................Redator Assist.

 

REDATOES ASSOCIADOS

 

Arman Williams.........................ARTISTA ASSOCIADO

Will H. Clews.............................ARTISTA ASSOCIADO

Sandy Saunders.........................SECÇÃO ESPORTIVA

Jack Mata..................................WHAT’S FZAING

J. Siqueira..................................ALUNADAS

P. Zamboni.................................ALUNADAS

Jeannette Chedick........................SECÇÃO DOS ALUNOS

 

Tip. AURORA Ltda. – São Paulo

 

 

 Para imprimir

 Voltar

 Seguir