Restaurantes ou cerimônias 

Pontualidade é essencial

Chegar atrasado é falta de educação e consideração. Quem convidou tem por obrigação chegar primeiro.

O Brasil é o único país do mundo em que chegar atrasado nos eventos ou simples encontros é considerado aceitável e até elegante.

Se for um compromisso de negócios esse conceito pode fazer o "atrasado" ser considerado pouco importante. Justamente o contrário do que muitos dizem que chegar atrasado dá um "ar" de importância e quem chega cedo ou na hora demonstra ansiedade.

Hoje, as pessoas têm mais compromissos e seus horários são preciosos. Saiba, portanto, administrar seu tempo e não fazer os outros esperarem por você. Os horários deles são tão ou mais importantes que os seus. Administre seu tempo. Faz parte da globalização.

Saiba entrar e sair

- Se o homem estiver acompanhado de uma mulher, deve entrar primeiro no recinto, dirigir-se ao maitré para a escolha da mesa. Uma vez escolhida a mesa, o homem faz um sinal discreto para a mulher e ambos se dirigem à mesa. Por educação e um gesto extremamente elegante, o homem ajuda a mulher a sentar-se.


- Se houver escada na entrada do restaurante, o homem deve subir primeiro ou, a escada sendo larga o suficiente, ao lado da mulher, nunca atrás. Na descida, é o contrário. A mulher desce primeiro e o homem atrás.


- Não aponte, mesmo que tenha visto um conhecido. Você pode caracterizá-lo o suficiente para que a pessoa que o estiver acompanhando tenha condições de localizá-lo. Caso vislumbre um conhecido seu, logo na entrada do restaurante, faça um aceno com a cabeça, da forma mais discreta, acompanhado de um sorriso close-up.


- Na saída, a mulher sai na frente. Se ela tiver deixado casaco, capa ou guarda-chuva no vestiário, o homem é quem deve buscar e ajudá-la no vestir.

Postura à mesa

- Como ocupar o lugar à mesa: mantenha a postura. Nada de se esparramar na cadeira como se estivesse assistindo TV em casa. Mantenha as costas apoiadas no encosto da cadeira, coloque somente os punhos ou o antebraço sobre a mesa, deixando os cotovelos na altura do tampo da mesa e os ombros para trás. Os homens só devem sentar-se à mesa depois que as mulheres já estiverem acomodadas.


- As mãos: cotovelos na mesa são deselegantes. O melhor lugar para as mãos é descansando no colo.


- Gestos: discretos e comedidos, evitando desastres como derramar água, vinho, derrubar talheres ou entornar qualquer alimento sobre o vizinho.


- Conhecidos: se alguém olhar para a sua mesa, com ar de quem o reconheceu, é aconselhável um aceno discreto, ou um movimento de cabeça indicando que você viu a pessoa, mesmo que não se lembre dela.


- Forma de tratamento: principalmente num encontro de negócios, mesmo que você tenha intimidade com o seu convidado, não deve tratá-lo de forma íntima em público. Use expressões distintas e respeitosas. É de muito bom tom.


- Escolha de pratos: no caso de comida à francesa, seja discreto e nunca peça pratos caros, opte por um intermediário. Dê preferência para pratos fáceis de comer para que possa estar atento ao assunto tratado e não ter que ficar concentrado no que está comendo e fazendo.


- Quando começar a comer: nunca comece a comer antes da anfitriã ou anfitrião (quem o convidou para o almoço ou jantar).


- Ao servir-se: não encha o prato. É melhor repetir do que deixar sobras. Deixar no prato, além de falta de educação, é um tremendo desperdício. Mas, também, não é o caso de raspar o molho com o pão. Jamais amasse ou misture a comida no prato.


- Guardanapo: deve sempre ficar no colo e dobrado ao meio. Limpe a boca antes de beber e de conversar. Ao terminar a refeição, antes de levantar-se, dobre-o frouxamente e coloque-o ao lado do prato. Se o guardanapo ou outro objeto cair ao chão, não se abaixe para apanhá-lo, solicite outro ao garçom.


- Conversar de boca cheia: jamais. Termine de mastigar o alimento, engula, para só depois responder um a pergunta feita por alguém da mesa.


- Mastigar com a boca aberta: nunca. Mantenha a boca fechada e com pouca comida. Mastigue com tranqüilidade.


- Chiclete: deve ser evitado em público. É desagradável e muito deselegante.


- Palito: é coisa do passado. Se você precisar usá-lo, vá até o banheiro e o faça. À mesa, jamais.


- Batom: lugar de retocar batom ou mesmo a maquiagem é no banheiro. À mesa, jamais.


- Telefone celular: desligue o telefone celular. Atender ligações durante a refeição é deselegante e falta de cortesia. Sua atenção deve ser voltada somente para seu convidado ou anfitrião.


- Gafes: Se cometer algum tipo de gafe, não tente corrigir. No máximo, peça desculpas, sem exageros. E se quem deu a gafe foi alguém que está ao seu lado, ajude-o a mudar de conversa e não tente ajudá-lo a consertar.


- Término da refeição: é preciso se adaptar às pessoas que estão conosco à mesa para todos terminarem juntos. Só sirva-se da sobremesa depois que todos terminarem.


- Não fume: se você é fumante, à mesa, não o faça. Nem antes, nem durante e nem após as refeições. Mesmo que digam que pode fazê-lo.


- Pagamento da conta: na hora de pagar a conta não fique preocupado. A regra, que não deve ser quebrada, salvo em situações adversas, é a seguinte: quem convida, paga. Seja homem ou mulher.


- Gorjeta: deve-se gratificar serviços em restaurantes de acordo com a tabela do recinto, mesmo que a gratificação seja opcional. Isso é elegante e demonstra o grau de reconhecimento e contentamento com o serviço. Nos restaurantes onde não se cobra nenhum tipo de gratificação, ofereça uma gorjeta de, no máximo, 4% do valor total da nota.


- Sair da mesa: só deixe a mesa depois de terminar a refeição. Somente se ausente em caso de extrema necessidade.

Uso de talheres e utensílios

Posição dos talheres: podemos observar que em todos os restaurantes, de qualquer parte do mundo, as mesas se encontram arrumadas com os talheres na posição correta para serem usados, ou seja, as facas e colheres à direita e os garfos à esquerda do prato. Utilize os talheres, tanto os da direita quanto os da esquerda, no sentido de fora para dentro. Não descanse os talheres sobre a toalha. Utilizando apenas o garfo e a faca, descanse-os sobre a parte superior do prato. Gesticular com os talheres nas mãos enquanto conversamos, dando a impressão de um Dartagnan querendo espetar o desafiante com a espada, não é atitude recomendável para uma pessoa educada. É aconselhável, em tal circunstância, colocar os talheres em posição de pausa e gesticular (pouco) só com as mãos. Caso tenha terminado a refeição, o sinal mundialmente conhecido é o de se colocar a faca e o garfo paralelos (um ao lado do outro) sobre o prato. Este sinal não indica propriamente o término da refeição, mas que o prato pode e deve ser retirado pelo garçom, esteja ele vazio ou com sobras de comida.


Uso do garfo: segure-o com a mão esquerda e a faca com a mão direita, durante todo o tempo em que estiver comendo. Para cortar carnes, o garfo é voltado para baixo, o cabo fica fixo na palma da mão com o dedo indicador na parte baixa, perto dos dentes. Esta posição dá uma firmeza absoluta para segurar qualquer carne, de qualquer tamanho e, com a mão direita, se corta com a faca. Depois de cortados, os alimentos são levados à boca sempre com o garfo na mão esquerda. Os demais alimentos são comidos com o garfo na mão direita. É o único talher que se usa para comer macarrão. Não se esqueça: nada de cortar. Você deve enrolar os fios de macarrão.


Uso da faca: evite cortar folhas de alface. Dobre-as com a faca na mão direita. A faca não serve só para cortar, mas também para empurrar a comida e pode ajudar o garfo a espetar um alimento. Deve ser utilizada para cortar alimentos e sempre com a mão direita. Não se corta pão com a faca. O pão é comido em pedacinhos partidos com as mãos e não pode ser mergulhado em nada: sopa, caldo, creme, etc. Também não se corta com faca: macarrão e batatas cozidas.


Uso da colher: a colher, exceto para canhotos, deve ser utilizada pela mão direita para levar, à boca, alimentos líquidos ou em forma de pasta. Tome sopas e caldos começando pelas bordas do prato, que esfriam mais rápido.


Ingerindo líquidos: cuidado com o dedo mínimo quando segurar um copo ou xícara. Ele não deve ficar em evidência, é muito vulgar. Tanto a água quanto o vinho tem ser saboreados em vários goles. Não devem ser ingeridos de uma vez só. No caso de sopas ou caldos, não faça barulho na hora de tomá-los e nada de assoprar a colher para esfriar.

A conversa à mesa

- Tom: não fale alto. Use tom médio. O objetivo é que outras mesas não ouçam o que está sendo dito na sua.


- Cochichos: nunca cochiche em uma mesa. Desta forma, você estará excluindo da conversa outras pessoas presentes. Se quiser dizer alguma coisa a um dos componentes, faça-o em particular, fora da mesa.


- Palavreado: evite expressões grosseiras ou gírias. A língua portuguesa bem falada é bem-vinda em qualquer ocasião.


- Participação: durante a refeição, converse com ambos os vizinhos de lado, mesmo que não os conheça. Conversas à mesa devem ter a participação de todos os que nela estiverem sentados.


- Falando de um passeio ou acontecimento: se tiver que se referir a você com outras pessoas, deve dizer, primeiro, o nome de todos e o seu por último. Ex.: Ricardo, Eliane, Pedro e Eu estivemos em Caldas Novas, no último carnaval...


- Assuntos proibidos à mesa: dieta, doenças ou assuntos "pesados" como, mortes, seqüestros, assaltos e outros similares. Fofocas, maledicências. Reclamações e descontentamentos. E nada de previsão do tempo: Será que vai chover? Está tão quente! Conversa sobre alimentação natural ou macrobiótica, principalmente se na mesa houver pratos com carne vermelha.


- Assuntos adequados à mesa: a novela atual, artigos de jornais, cinema, teatro ou um livro de sucesso. São temas que devem ser intercalados com o assunto principal: negócios.

 

Recolhimento da cadeira

   Num restaurante, quando alguém se levanta, não deve empurrar a cadeira que foi afastada em direção à mesa. Essa tarefa cabe ao garçom. Mas se a refeição for numa residência e não houver garçom ou copeira, coloque-a de volta ao lugar. Em qualquer circunstância, caso uma pessoa deixe sua cadeira atrapalhando a passagem, aproxime-a da mesa com naturalidade

Cuidados básicos com o uso do guardanapo:

Ao se sentar, primeiramente, coloque o guardanapo no colo. Se ele estiver engomado, mantenha-o dobrado na horizontal pelos vincos;

Sempre que levar o copo à boca, passe, antes, o guardanapo nos lábios. Caso você precise se levantar durante a refeição, coloque-o sobre a toalha, à esquerda do prato, sem dobrar. Quando terminar de comer, faça o mesmo;

O lugar do guardanapo de papel é também no colo, sendo bem aceito no dia-a-dia ou para receber os amigos íntimos. No fim da refeição, nunca o deixe dentro do prato, e sim sobre a toalha, à esquerda do prato, procedendo da mesma forma que o guardanapo de tecido;

Não é recomendado o uso de guardanapo de papel em ocasiões formais ou em restaurantes sofisticados, mesmo que seja dentro do de tecido com a intenção de poupá-lo das manchas de batom. Em casa, pode. E se encontrar o guardanapo de papel dentro do de tecido, use-o para absorver o excesso de batom na primeira vez que for secar os lábios. Depois, conserve-o dentro do de tecido, sobre o colo, e só utilize o de fora;

Se o guardanapo cair no chão, num restaurante, o melhor é esperar que o garçom se aproxime e então faça um sinal mostrando o guardanapo caído. Ele deve apanhá-lo e trocar por outro. Você só agradece. Na casa de amigos, cada um recolhe o seu e o recoloca sobre as pernas.

Gorjeta em restaurante

   A gorjeta é uma forma de expressar um agradecimento por bons serviços prestados e não uma obrigação. No restaurante, a primeira coisa que você deve fazer antes de dar uma gorjeta ao garçon é verificar se a conta inclui a taxa de serviço. Se não for cobrado, 10% da conta denota um atendimento razoável, 12,5% é para um atendimento muito bom e 15% revela um serviço fora do comum.

Se a taxa de serviço for cobrada, não é preciso dar gorjeta. Entretanto, você pode dar uma pequena quantia ao garçon como prova de apreço. Alguns restaurantes não repassam diretamente a taxa de serviço para o funcionário que te atendeu; eles optam por dividir entre todos empregados.