CUIDADOS COM O PACIENTE ALÉRGICO

 

As alergias são doenças geneticamente transmissíveis, caracterizadas pela produção de anticorpos e linfócitos os quais não toleram partículas ou substâncias do ambiente. Quanto maior for o contato com essas partículas, maior será a alergia.

 

A incidência das alergias respiratórias aumenta à proporção que se inalam as partículas em suspensão no ar. Muitas dessas partículas não são toleradas pelo sistema imunológico, entretanto podem ser excluídas da nossa inalação quando procedemos a uma higiene ambiental adequada.

 

A higiene ambiental tanto em casa como no trabalho é o ponto de partida para melhorar a qualidade de vida do alérgico. Recomendamos limpar toda a residência, móveis e assoalho com pano úmido no chão e móveis e escova úmida nos estofados, almofadas e tapetes. Após a limpeza deixar o local arejado para secar totalmente. O paciente alérgico não deve permanecer no local durante a limpeza e arrumação deste. Entrar no ambiente quatro horas após a faxina. Se sua presença for imprescindível, deve usar máscara, pano ou mesmo uma fralda cobrindo o nariz e a boca. Nunca usar vassoura, espanador, pano seco ou aspirador de pó perto dos alérgicos. Os ventiladores e ar condicionados devem ser limpos mensalmente.

 

Deve-se dar especial atenção ao quarto de dormir do alérgico, por isso recomendamos:

 

O alérgico deverá estar atento aos elementos provocadores de crises. Portanto, alguns hábitos inadequados deverão ser eliminados de sua rotina, como por exemplo:

Um alerta aos fumantes: o cigarro não é o seu melhor amigo; é seu inimigo número UM. Os fumantes passivos padecem mais de doenças respiratórias, têm menos desenvolvimento pulmonar e podem ter crises mais graves e freqüentes. O feto tem a mesma quantidade de nicotina no organismo que sua mãe fumante e maior probabilidade de ser alérgico.

 

Assim, para que seja minimizada a manifestação alérgica, é necessário parar o estímulo à produção de anticorpos e células intolerantes.

 

O tratamento poderá ser alopático ou homeopático, contanto que seja levado sério. Isso, apenas isso, tornará a pessoa menos sintomática e menos alérgica, o que melhora, sobremaneira, sua qualidade de vida.

 

Dra. Márcia Montenegro

CRM DF 9927

Responsável pelo Centro de Doenças Crônicas do Hospital Santa Luzia